A Atitude do Buddha diante do Conhecimento Mundano

Postado em Atualizado em

O conhecimento mundano nunca pode ajudar alguém a levar uma pura vida religiosa para obter a paz e a emancipação

O conhecimento mundano é útil para fins mundanos. Com tal conhecimento, a humanidade aprende como usar dos recursos da terra para melhorar o padrão de vida, produzir mais alimento, gerar energia para as fábricas e iluminar as ruas e casas, administrar fábricas e comércio, curar doenças, construir apartamentos e pontes, cozinhar pratos exóticos e assim por diante. O conhecimento mundano pode também ser útil para fins danosos como a construção de mísseis com bombas nucleares, manipulação da bolsa de valores, trapacear ‘legalmente’ e inflamar a ansiedade e ódio políticos. Apesar da rápida expansão do conhecimento mundano, especialmente no século XX, a humanidade não chegou perto da solução dos problemas humanos e da erradicação da abrangente insatisfatoriedade. Com toda a probabilidade, ele nunca solucionará os problemas universais da humanidade, trazendo paz e felicidade, por causa das premissas sobre as quais tal conhecimento, descobertas e invenções são construídas.

Enquanto que o Buddhismo pode trazer um entendimento maior sobre como levar uma boa vida mundana, seu principal foco é como conseguir a libertação por meio do desenvolvimento da sabedoria, cultura mental e pureza. Para os seres humanos comuns, não há fim na procura pelo conhecimento mundano, o qual, no final das contas, não importa realmente. Tanto quanto formos ignorantes sobre o Dhamma, estaremos sempre presos no Samsara, o ciclo repetido de nascimento e morte. De acordo com o Buddha:

“Por um longo tempo, Irmãos, vocês têm sofrido a morte de uma mãe; por um longo tempo, a morte de um pai; por um longo tempo, a morte de um filho; por um longo tempo, a morte de uma filha; por um longo tempo, a morte de irmãos e irmãs; por um longo tempo vocês têm sofrido a perda de seus bens; por um longo tempo, vocês têm sido aflitos pela doença. E porque por um longo tempo têm sofrido a morte de uma mãe, a morte de um pai, a morte de um filho, a morte de uma filha, a morte de irmãos e irmãs, a perda de seus bens, as dores da doença e a companhia indesejada, realmente derramaram mais lágrimas nessa longa jornada – do nascimento para a morte, da morte para o nascimento – que todas as águas presentes nos quatro grandes mares” (Anguttara Nikaya).

Aqui o Buddha descrevia o Sofrimento dos contínuos nascimentos e mortes no mundo. Ele queria mostras às pessoas o Caminho para fora de todos esses Sofrimentos.

Por que o Buddha falou dessa maneira a Seus discípulos? E por que Ele não fez uma tentativa para solucionar os problemas de se o mundo é eterno ou não, se é finito ou não? Tais problemas podem ser excitantes e estimulantes para aqueles que são curiosos. Mas de forma alguma as respostas a tais problemas ajudam uma pessoa a superar o Sofrimento. Foi esse o motivo para Ele ignorar essas perguntas, pois eram fúteis e o conhecimento de tais coisas não contribuiria para o bem-estar de alguém.

O Buddha sabia que falar sobre coisas que não tinham valor prático e que estavam além do poder de compreensão, era uma perda de tempo e energia. Ele previu que afirmar hipóteses sobre tais coisas somente serviria para distrair os pensamentos de seu canal apropriado e impedir o desenvolvimento espiritual.

O conhecimento mundano e a pesquisa científica deveriam ser complementados e equilibrados por valores religiosos e espirituais. Do contrário, tal conhecimento mundano não contribui de nenhuma forma ao progresso de alguém em levar uma vida pura e religiosa. Os seres humanos chegaram num estágio em que suas mentes, alimentadas por instrumentos e frutos dos avanços tecnológicos, se tornaram obcecadas pelo egoísmo, desejo pelo poder e cobiça pela riqueza material. Sem os valores religiosos, o conhecimento mundano e os avanços tecnológicos podem levá-los à queda e destruição. Tais coisas apenas irão inflamar sua cobiça, a qual assumirá novas e terríveis dimensões. Por outro lado, quando o conhecimento mundano está ligado a fins morais, ele pode trazer o máximo de benefício e felicidade para a humanidade.

Um comentário em “A Atitude do Buddha diante do Conhecimento Mundano

    Índice « No Que Os Buddhistas Acreditam disse:
    13 abril, 2011 às 8:15 am

    […] A Atitude do Buddha diante do Conhecimento Mundano […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s