O Rugido do Leão

Postado em Atualizado em

Após terem ouvido o Buddha, muitos decidiram abandonar as crenças errôneas que previamente entretinham com relação ao seu caminho religioso de viver

O Buddhismo é uma bela jóia de muitas facetas, atraindo pessoas de diversas personalidades. Cada faceta dessa jóia possui métodos e abordagens testados pelo tempo que podem beneficiar os buscadores pela Verdade com seus vários níveis de entendimento e maturidade espiritual.

O Buddha Dhamma é o fruto resultante de uma busca da mais intensa conduzida por um longo período por um nobre homem compassivo cuja missão foi de ajudar a humanidade sofredora. Apesar de estar cercado de toda riqueza e luxúrias normalmente oferecidas a um príncipe herdeiro, Ele renunciou Sua vida luxuosa e voluntariamente embarcou numa dura jornada à procura da Verdade a fim de encontrar uma panacéia que curasse a doença da vida mundana com seus consequentes sofrimentos e insatisfatoriedades. Ele estava decidido a encontrar uma solução que aliviasse todo sofrimento. Em Sua longa busca o príncipe não dependeu ou recorreu a nenhuma orientação divina ou crenças tradicionais como era costume no passado. Ele empreendeu uma busca intensa com uma mente livre e aberta, guiada apenas por Sua sinceridade de propósito, nobre resolução, paciência inexaurível e um coração verdadeiramente compassivo com o desejo ardente de minorar o sofrimento. Após seis longos anos de intenso experimento, de tentativas e erros, o nobre príncipe atingiu Seu objetivo – conquistou a Iluminação e ofereceu ao mundo Seus puros ensinamentos conhecidos como Dhamma ou Buddhismo.

O Buddha disse certa vez: “Monges, o leão, rei das feras, ao entardecer sai de seu repouso. Ele se estica. E tendo feito isso, ele avalia os quatro cantos em todas as direções. Em seguida, ele emite três vezes seu rugido de leão. E tendo rugido três vezes seu rugido de leão, ele energeticamente sai em busca da presa. Agora, monges, qualquer animal que ouve o som do rugido do leão, rei das feras, em sua maioria, fica com medo; eles estremecem e tremem. Os que moram em tocas as procuram; os que moram na água correm para ela; os que moram nas florestas entram nelas; e pássaros alçam ao céu. Então, quaisquer elefantes do rei que estejam no vilarejo, cidade ou palácio, amarrados com firmeza com tiras de couro, agitam-se e laceiam as amarras, correndo para cá e para lá em pânico. Tão potente é o leão, rei das feras, sobre os animais. De tal majestade e poder é ele. Da mesma forma, monges, é quando um Buddha surge no mundo, um Arahant, um Perfeitamente Iluminado, perfeito em sabedoria e conduta, caminhante, Conhecedor dos mundos, insuperável treinador daqueles que podem ser treinados, professor de deuses e homens, um Buddha, um Honorável. Ele ensina o Dhamma: ‘Tal é a natureza do conceito de eu; este é o caminho que leva ao final de tal eu. Quaisquer deuses que possa haver, eles também, ao ouvir o Dhamma do Tathagata, em sua maioria ficam com medo: eles estremecem e tremem, dizendo: ‘Nós que pensávamos ser permanentes afinal de contas somos impermanentes: nós que pensávamos ser estáveis afinal de contas somos instáveis: não duradouros, apesar de acharmos que éramos duradouros. Assim parece que somos impermanentes, instáveis, não duradouros, iludidos por um eu’. Assim potente é um Tathagata sobre o mundo de deuses e homens”. Anguttara Nikaya

Um comentário em “O Rugido do Leão

    rosana ramos philippi disse:
    21 abril, 2011 às 11:30 pm

    Que os nossos ouvidos estejam sempre atentos para escutar o rugido do leão. Atenção sem fim.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s