Caridade de fato

Postado em Atualizado em

Realizamos a caridade de fato se pudermos dar livremente sem esperar nada em troca a fim de reduzir nossos desejos egoístas.

A essência da verdadeira caridade é dar algo sem esperar nada em troca pela doação. Se a pessoa espera algum benefício material do que doa, ele ou ela está somente executando uma ação de troca e não de caridade. Uma pessoa caridosa não deve fazer com que outras pessoas sintam-se devedoras ou usar a caridade como um meio de exercitar controle sobre elas. Não se deveria nem mesmo esperar que os outros sejam gratos, pois a maioria das pessoas é esquecida e não necessariamente ingrata. O ato de verdadeira caridade é saudável, não está preso a condições e o recebedor está livre de obrigações.

A ação meritória da caridade é muito louvada em todas as religiões. Aqueles que têm o suficiente para se manterem deveriam pensar nos outros e estender sua generosidade para as causas merecedoras. Entre as pessoas que praticam a caridade, há algumas que dão como um meio de atrair outras pessoas para sua religião ou política. Tal ato de doação, que é realizado com um motivo escondido de conversão, não pode ser realmente considerado uma verdadeira caridade.

Aqueles que estão no caminho do crescimento espiritual devem tentar reduzir seu próprio egoísmo e o forte desejo de adquirir mais e mais. Deveriam reduzir seus fortes apegos a possessões, as quais se não estiverem atentos, poderão escravizá-los à ganância. O que possuem ou têm deveria ser usado, ao invés disso, para o benefício e felicidade dos outros: seus entes queridos, bem como aqueles que precisam de ajuda.

Quando doando, não deveriam fazer a caridade como um ato somente de seu corpo, mas devem colocar também seu coração e mente. Deve haver alegria em todo ato de dar. Uma distinção pode ser feita entre dar como um ato normal de generosidade e dana. No ato normal de generosidade damos por compaixão e amabilidade quando percebemos que alguém precisa de ajuda, e que estamos numa posição de oferecer tal ajuda. Quando fazemos dana, damos como um meio de cultivar a caridade como uma virtude e para reduzir o egoísmo e a ânsia. Ainda mais importante, dana é realizada com entendimento, significando que alguém dá a fim de reduzir e erradicar a idéia de ‘eu’, que é a causa da cobiça, desejo de aquisição e sofrimento. Cultivamos a sabedoria quando lembramos que dana é uma qualidade muito importante a ser praticada por todo buddhista, e é a primeira perfeição (paramita) praticada pelo Buddha em muito de Seus nascimentos anteriores antes de Sua Iluminação. Uma pessoa também executa dana como apreciação das grandes qualidades e virtudes da Tríplice Gema.

Há muitas coisas que podemos dar. Podemos dar coisas materiais: alimento para o faminto, e dinheiro e roupas para o pobre. Podemos também dar nosso conhecimento, habilidade, tempo, energia ou esforço em projetos que podem beneficiar os outros. Podemos oferecer um ouvido amigável e um bom conselho para um amigo em dificuldade. Podemos evitar matar outros seres, e assim fazendo damos um presente de vida para os seres sem proteção que de outra forma seriam mortos. Também podemos dar uma parte de nosso corpo para a ajuda de outro, como na doação de sangue, olhos, rins, coração, etc. Alguns que buscam praticar essa virtude ou são movidos por uma grande compaixão ou cuidado pelos outros podem também se preparar para sacrificarem suas próprias vidas. Em Seus nascimentos anteriores, o Bodhisatta deu muitas vezes partes de Seu corpo em benefício de outros. Ele também sacrificou Sua vida para os outros e a fim de restaurar as vidas de outros, tão grande era Sua generosidade e compaixão.

Mas o maior testemunho da grande compaixão do Buddha é Seu presente sem preço à humanidade – o Dhamma que pode libertar todos os seres do sofrimento. Para o buddhista, a maior doação de todas é o presente do Dhamma. Esse presente tem grandes poderes de transformar uma vida. Quando as pessoas recebem o Dhamma com uma mente pura e praticam a Verdade com sinceridade, elas não deixarão de se transformar. Experimentarão uma maior felicidade, paz e alegria em seus corações e mentes. Se antes eram cruéis, se tornarão compassivas. Se antes eram vingativas, se tornarão pessoas que sabem perdoar. Por meio do Dhamma, quem odeia se tornará mais compassivo, o cobiçoso mais generoso, e o agitado mais sereno. Quando uma pessoa provou o Dhamma, não apenas irá experienciar a felicidade aqui e agora, mas também nas vidas que se seguirão.

Um comentário em “Caridade de fato

    Divulgação Nalanda « E-Sangha Blog disse:
    15 setembro, 2009 às 8:03 pm

    […] Caridade de fato […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s