Tradições, Costumes e Festivais

Postado em Atualizado em

O Buddhismo está aberto para as tradições e costumes
quando estes não sejam prejudiciais ao bem estar das pessoas

O Buddha nos advertiu a não acreditar em nada simplesmente porque é um costume tradicional. Entretanto, não fomos aconselhados a nos livrar repentinamente de todas as tradições. “Você deve tentar experimentá-las e colocá-las à prova. Se forem razoáveis e condutivas tanto a sua felicidade quanto ao bem-estar dos outros, somente então deveria aceitar e praticar estas tradições e costumes (Kālama Sutta)”. Esta certamente é uma das declarações mais liberais já feitas por qualquer mestre religioso. Tal tolerância em relação às tradições e costumes dos outros não é algo conhecido por alguns religiosos. Estes usualmente aconselham seus novos convertidos a desistirem de todas as tradições, costumes e cultura sem observar se eles são bons ou maus. Quando pregam o Dhamma, os missionários buddhistas nunca aconselharam as pessoas a desistirem de suas tradições tanto quanto elas sejam razoáveis. Mas os costumes e tradições devem se manter dentro dos limites de princípios religiosos. Em outras palavras, não se deve violar os preceitos religiosos a fim de seguir suas tradições. Se o povo está muito voltado a seguir tradições que não têm qualquer valor religioso, ele pode fazê-lo, tanto quanto não pratique estas tradições em nome da religião. Mesmo assim, tais práticas devem ser inofensivas para si mesmo e para todas as outras criaturas vivas.

4 comentários em “Tradições, Costumes e Festivais

    A Vida Humana na Sociedade disse:
    6 junho, 2008 às 8:43 am

    […] Tradições, Costumes e Festivais […]

    Josi disse:
    7 junho, 2008 às 4:24 pm

    Buda sempre enfatizou a importância da verificação pessoal para alcançarmos crenças apropriadas. Creio que isso não poderia ser de outra maneira, já que ele pregava o desapego (seria muito contraditório se Buda nos dissesse para acreditarmos cegamente em tudo sem alguma verificação pessoal, pois afinal isso seria um tipo de apego também).

    marcia disse:
    9 junho, 2008 às 2:19 pm

    creio que o Buda quando prega o desapego,a meditação,a verdade basica de cada ser em particular…pois cada um tem seu proprio tempo para evoluir e iluminar-se está nas entrelinhas falando sobre a falta de importancia no que os outros dizem ou pensam…uma vez que seu crescimento espiritual depende só e unicamente de seu próprio esforço e persistencia.

    sebbaptista disse:
    12 junho, 2008 às 1:08 pm

    Entendo que neste texto, Buda nos falou do livre arbitrio e da efemeridade da vida.
    Falou de avaliarmos os resultados das nossas ações, para que possamos fazer as escolhas mais inteligentes.
    Fraternalmente,
    sebbaptista

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s